Pular para o conteúdo

4 razões para testar o LibreOffice Release Candidate

4 de janeiro de 2011

O pacote de aplicativos está disponível para Windows, Mac OS X e Linux, e em vários idiomas, inclusive em português.

A The Document Foundation lançou no final de dezembro, a Release Candidate 2 (RC2) – versão que antecede a final – do LibreOffice.

O BrOffice, desde a criação da TDF, segue a linha de desenvolvimento do LibreOffice. Ao instalar os pacotes em português do Brasil já estará instalando o BrOffice. (nota da comunidade).

Liberado apenas após o lançamento da terceira versão beta, a RC está disponível para as plataformas Windows, Mac OS X e Linux e em vários idiomas, inclusive em português.

A versão ainda não é adequada à aplicação definitiva em sistemas corporativos, devido à existência de possíveis falhas que serão corrigidas na edição final. No entanto, desde que o projeto foi divulgado, esta é a melhor oportunidade para testar o programa.

1. Melhorias
Em comparação com o OpenOffice.org 3.3 – o qual acaba de ganhar a oitava RC – foram acrescentadas inúmeras melhorias ao LibreOffice, com o intuito de aprimorar o desempenho do programa e torná-lo ainda mais atraente para os usuários corporativos.

A otimização do código tem sido um foco importante no processo de desenvolvimento do pacote. Com desenvolvedores, por exemplo, trabalhando para aumentar a qualidade e a estabilidade do código herdado do OpenOffice.org.

Porém, ainda mais notável, é que todos os módulos do pacote estão sendo submetidos a extensas revisões, para incluir novos recursos, melhorar a compatibilidade com o Microsoft Office e oferecer um desempenho mais consistente.

2. Livre-se da Oracle
Desde que a Oracle adquiriu a Sun Microsystems em 2010, muitas foram as preocupações sobre o futuro do OpenOffice.org, como também de outros projetos open source herdados pela companhia.

Mas, enquanto a instituição continua afirmando publicamente o seu compromisso em manter o OpenOffice.org, muitas dúvidas tem sido levantadas sobre suas reais intenções. Por exemplo, ao processar a Google por usar Java no sistema móvel Android ou por encerrar o projeto OpenSolaris.

Além disso, recentemente, a empresa reclamou a propriedade do projeto Hudson, originalmente desenvolvido pela Sun Microsystems. Tais ações foram em grande parte a razão pela qual a The Document Foundation resolveu desenvolver o LibreOffice.

Com uma estrutura independente e aberta, o projeto já recebeu apoio de organizações como: Google, Novell, Red Hat, a Canonical, The Open Source Initiative e NeoOffice.

3. Grátis
Como todo o software livre e open source, o LibreOffice não está apenas livre de um controle corporativo, como também é gratuito.

Você também pode baixar e testar a suite sem nenhum compromisso financeiro.

4. É apenas o começo
O LibreOffice 3.3 promete ser uma versão melhor e mais estável do OpenOffice.org, mas, considerando que se passaram poucos meses desde que o projeto foi anunciado, é claro que é apenas um começo.

“Especificamente, o LibreOffice permitirá que os usuários se concentrem na produção de documentos e não na parte mecânica do software”, declarou Charles Schulz, porta-voz da The Document Foundation.

De fato, o LibreOffice promete ser mais estável, mais compatível e mais poderoso que os demais pacotes de código aberto para escritórios.

Assim que a versão final for lançada, muitas das principais distribuições Linux substituirão o OpenOffice.org pelo LibreOffice, então não existe melhor momento para verificar os recursos deste novo software. (Katherine Noyes)

Fonte: http://www.broffice.org

From → Diversos

3 Comentários
  1. hideo permalink

    Sou usuário openoffice desde a versão 1.alguma coisa… tanto em windows quanto em linux…

    Considero maravilhoso a desvinculação de uma empresa privada.
    Quero que essa comunidade cresça muito!

    LibreOffice é muito bom! Coitados daqueles que ainda se prendem à solução privada…

  2. Fernando permalink

    Creio que no futuro o Libre vai ficar bom, mas as versões que experimentei até agora estão muito ruins, pesadas e com muitas perdas de formatação de documentos criados no próprio Ooo. Por enquanto não pretendo sair do 3.2

Trackbacks & Pingbacks

  1. Teste o LibreOffice e veja o que vem por aí « Blog do Kotonet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: